Os naturistas são seres assexuados? - Artigos II - Associação Pensamentos ao Vento

Ir para o conteúdo
Os naturistas são seres assexuados?
Um dos grandes problemas do Naturismo reside na controvérsia gerada à volta do seu significado e da sua prática. Há os que dizem que a nudez está relacionada com o sexo e, por isso, os que praticam a nudez social são uma cambada de assanhados e assanhadas que se enrolam entre si na praia e nos seus encontros e convívios. Por outro lado, alguns dizem que o Naturismo é uma prática muito saudável, muito zen, que nos coloca em harmonia com a Natureza e, por isso, o pessoal anda numa espécie de Paraíso, sem roupa e ignorantes, quer da vida, quer da sexualidade.
Nem tanto ao mar, nem tanto à terra.
O Naturismo é uma filosofia de vida que nos aproxima e coloca em contacto direto com a Natureza, disso não há dúvida, mas os naturistas não são seres assexuados que não dão qualquer importância à sua vida sexual. São sim pessoas normais com as suas taras e manias, como qualquer outra pessoa, com as suas preferências. É verdade que há pessoas que fazem sexo na praia, se exibem ou que gostam de ver outros a fazer sexo em locais públicos, mas serão naturistas só pelo facto de estarem nus? Não. Poderão ser nudistas. Um naturista respeita as regras da sociedade e as regras da sociedade indicam que as relações sexuais são algo intimo e, como tal, são privadas, não deverão ser levadas a cabo à vista de todos porque nem todos gostam de ver outros em pleno ato sexual. Aquilo que cada um faz longe dos olhares dos outros é da sua inteira responsabilidade e dos seus intervenientes, sejam naturistas ou não.
Na comunidade naturista existem heterossexuais, homossexuais, bissexuais, swingers, etc., tal como existe na sociedade no seu geral. A diferença é que, devido à mente (normalmente mais) aberta dos naturistas, as pessoas acabam por ser aceites com mais facilidade do que em outros grupos sociais, independentemente das suas opções sexuais. O problema dos naturistas para com as opções sexuais de cada um não reside na sua opção ou orientação sexual, reside na forma exibicionista como alguns expressam a sua sexualidade nos espaços naturistas.
Como seres sencientes que os naturistas são, evidentemente que olham os corpos dos outros, tal como toda a gente o faz quando as pessoas têm roupa. Só que num ambiente naturista há muito menos para ver e, depois de olhar uma vez, está tudo visto. Aprecia-se a beleza alheia sim. O corpo humano é belo independentemente da sua cor, forma ou idade. Cada ruga, cada prega, cada cicatriz é uma história, faz parte da vida dessa pessoa e só a ela diz respeito. O problema de olhar para o corpo do outro coloca-se quando esse olhar passa a ser demorado, insistente e incomodativo. Os naturistas não se despem para serem observados, mirados, espreitados. Despem-se porque se sentem confortáveis na sua nudez.
O erotismo não está no corpo despido, nem sequer está no corpo, está no cérebro. É na mente que se faz a gestão do erotismo. É muito mais erótico, sexual e excitante um corpo habilmente vestido do que um corpo totalmente despido. É o semioculto que é excitante, não a nudez explicita. São também as poses que dão um cariz sexual ao corpo, não a sua nudez.
Os naturistas não são seres assexuados, são seres humanos normais que veem o corpo dos outros apenas como o corpo dos outros. São pessoas que convivem despidas porque se sentem bem sem roupas e acreditam que vestuário cria barreiras nas relações sociais. São pessoas normais com os gostos sexuais característicos de cada um e que não pretendem ferir os que estão ao seu redor com as suas demonstrações de afeto sexual.

Artigo de opinião de José Luís Vieira
em 04/09/2018
anterior subir next
Voltar para o conteúdo