Como me tornei naturista - Artigos II - Associação Pensamentos ao Vento

Ir para o conteúdo
Como me tornei naturista
Tradução do relato da primeira experiência de alguém que assina como Naturism Girl

Estava tão errada acerca do naturismo

Naturismo é muito mais do que estar apenas sem roupa. É um modo de vida
Para mim, o primeiro contacto com o naturismo foi no verão de 2012. O meu companheiro já era naturista há muito tempo antes de me conhecer e me apresentar o naturismo. Antes disso, eu sabia que havia pessoas que gostam de estar despidas em público, na natureza e em outros locais. Para ser honesta, eu não sabia muito acerca disso, mas eu tinha preconceitos tal como muitas outras pessoas têm. Eu achava que o naturismo/nudismo seria acerca de dois extremos diferentes. O primeiro era que apenas as pessoas mais velhas eram nudistas/naturistas e o outro extremo era que o naturismo/nudismo seria apenas para pessoas que se parecessem com os top models e que este estilo de vida tinha muito a ver com sexo.

Estava tão enganada!

Como me tornei naturista?
Como o meu companheiro era naturista antes de nos conhecermos, ele foi-me descrevendo o que era o naturismo para ele. Ele descreveu-me como realmente era estar numa praia nudista. Rapidamente eu descobri que simplesmente todos os preconceitos são estúpidos e nada mais são que apenas a imaginação de pessoas que nunca conversaram com um naturista ou que nunca estiveram perto de um espaço nudista.
O estilo de vida naturista que ele me descrevia começou-me a ser cada vez mais atrativo e eu quis experimentar. Parecia-me perfeito: estar despido para que se possa sentir o sol em todo o corpo, sentir-se livre, pensar no próprio corpo como um templo…

A primeira vez num parque de campismo naturista
Não demorou muito até rumarmos ao parque naturista na ilha de Krk na Croácia. A ideia era simples: se gostares ficamos, se não te sentires confortável saímos imediatamente.
Deixámos o carro na receção e passeámos pelo parque para encontrarmos um local para acampar. Enquanto caminhávamos pelo parque naturista e víamos toda aquela gente normal despida a apreciar o sol e o mar, sorrindo, conversando, comendo, brincando com as crianças… fazendo tudo só que sem roupas, eu também quis sentir aquela liberdade por mim própria.

Despindo as minhas roupas
Apesar de facilmente poder ter tirado as roupas em qualquer local do parque, uma vez que os dois éramos, provavelmente, os únicos com roupa, decidi fazê-lo na praia. Preocupado se eu me sentiria desconfortável, o meu companheiro ofereceu-se para me acompanhar. Mas aquilo era algo que queria fazer eu própria.
Nos primeiros minutos que eu estive com roupa no meio da praia nudista, percebi que ninguém me observava. Também percebi que as pessoas neste parque naturista são o mesmo que as pessoas em qualquer outro parque não-naturista. Há uns idosos, alguns jovens, algumas famílias, alguns parecem modelos, outros nem tanto.
Encontrei o local para mim no fim da praia e comecei, aos poucos, a despir as roupas. Quando fiquei completamente nua tive a certeza que alguém me estaria a observar. Bom, adivinhem. Ninguém me olhava, ninguém comentava, ninguém foi desagradável. E então percebi que me sentia relaxada e livre como nunca sentira.

Ser una com a Natureza
Desde essa primeira vez que tive o privilégio de sentir esta liberdade, apaixonei-me pelo naturismo. Apaixonei-me pela sensação do sol em cada centímetro do meu corpo nu, pela sensação do toque da água fresca em todo o meu corpo. Apaixonei-me pela liberdade que me dá o privilégio de estar una com a natureza.

Traduzido e adaptado por José Luís Vieira a partir de http://naturismgirl.com/love-naturism/
em 18/05/2018
anterior subir next
Voltar para o conteúdo