Benefícios da Nudez Social - Artigos II - Associação Pensamentos ao Vento

Ir para o conteúdo

Menu principal:

Benefícios da Nudez Social: redução do stress, saúde geral
67beneficiosdanudezsocial
A maioria dos naturistas acredita que a nudez social tem benefícios de saúde significativos. Muito provavelmente estão certos. No entanto, parece não estar muito claro a forma como a nudez é benéfica para a saúde. Neste artigo pretende-se olhar mais de perto para este assunto. Vai demorar algum tempo a apresentar uma boa clarificação. Mas se quiser a resposta rápida, aqui tem: a nudez social ajuda a combater o stress psicológico. E se estiver com pressa, pode clicar aqui para ir para o resumo rápido.
 
No início do naturismo (talvez até aos anos 40 do século XX), existia uma forte ênfase numa vida saudável. Na Alemanha, onde nos finais da década de 90 do século XIX o naturismo teve origem, a nudez era considerada como parte da vida saudável, cujos princípios eram por vezes referidos como Lebensreform: “Reforma da vida”. Os princípios incluíam práticas como abstinência do álcool, tabaco e (outras) drogas viciantes; exercício; alimentação saudável (em especial o vegetarianismo); viver em “harmonia” com a natureza; exposição ao sol e ar puro.

No entanto, na sua maioria, estes itens eram princípios realçados junto com a nudez. Não estavam particularmente ligados à nudez de uma forma lógica., exceto que a nudez era tida como a condição “natural” do ser humano. O conhecimento científico acerca da saúde era limitado há 100 anos e a nudez simplesmente foi considerada como sendo uma evidência saudável só por si, portanto, era um acompanhamento apropriado de outros aspetos de uma vida saudável.

Hoje em dia, a maioria desses princípios (que não a nudez) são largamente aceites pela generalidade das pessoas, talvez pelo menos tanto como dentro do próprio naturismo. Assim, é difícil considerá-los como aspetos benéficos do naturismo contemporâneo especificamente. Muitos naturistas não observam um ou mais desses princípios nas suas próprias vidas.

Também é discutível, em relação a alguns desses princípios, se os aspetos positivos superam os negativos no que diz respeito à saúde física. Um exemplo são os supostos benefícios da luz do sol para a saúde, que talvez tenha uma relação mais óbvia com a nudez. É verdade que alguma exposição à luz solar (na parte ultravioleta do espectro) é necessária para os humanos sintetizarem a vitamina D. Também é verdade que alguma quantidade de vitamina D é essencial para evitar certas doenças, o raquitismo em particular (nas crianças).

Ocasionalmente, a pesquisa também sugeriu outros benefícios da vitamina D para a saúde, mas a maioria das reivindicações não está bem estabelecida, ou as doses necessárias são desconhecidas. Por exemplo, pode existir algum efeito benéfico da vitamina D no combate à tuberculose. Antes de existirem antibióticos, as pessoas que sofriam de tuberculose ingressavam em sanatórios para "curas de sol" (se o pudessem pagar). Mesmo neste caso, o benefício é incerto, mas os naturistas iniciais foram influenciados pelas práticas do seu tempo.

As desvantagens da exposição excessiva à luz solar (em especial a parte da radiação UV) não são de pouca importância: pele seca, pele prematuramente envelhecida, queimaduras solares e melanoma. A luz ultravioleta das camas de bronzeamento é a mesma do Sol, e há poucas dúvidas quanto aos seus potenciais perigos, especialmente para pessoas de 30 ou menos anos. Para os prós e contras da luz solar como fonte de vitamina D, consulte o artigo da Wikipédia.

Há cerca de 20 anos, a Sociedade Naturista (The Naturist Society) publicou a sua lista de 205 Argumentos em favor do Naturismo. Nessa lista, os argumentos 50 a 61 foram colocados em apoio à afirmação de que "o Naturismo promove a saúde física". Parece que deve haver alguns pontos fortes nessa lista. Infelizmente, a maioria dos pontos são debilmente apoiados por evidências, ou então têm pouca relevância direta para a saúde física.

O argumento 51 relaciona-se especificamente com a vitamina D. Embora a necessidade de vitamina D para prevenir o raquitismo seja clara, não é necessário obtê-la através da exposição à luz solar, já que outras fontes (como marisco e moluscos, óleo de peixe ou leite ou sumo de laranja fortificados com vitamina D) serão suficientes, sem as desvantagens da exposição UV. Além disso, se habitar em qualquer lugar que não esteja permanentemente nublado, pode, pelo menos nos meses mais quentes, obter toda a vitamina D que necessita com um banho de sol moderado sem estar completamente nu[1].

Outros argumentos apresentados neste subconjunto têm muito pouca relação direta com a saúde e são discutidos para além disso. Por exemplo, "59. O vestuário esconde a beleza natural do corpo humano, tal como criado por Deus." E "60. O vestuário faz as pessoas parecerem mais velhas e acentua, em vez de esconder, as características corporais menos lisonjeiras." A estética e a saúde realmente não são o mesmo... apesar de as pessoas geralmente agirem como se fossem. A "atratividade" tende a ser, estatisticamente, um sinal de boa saúde. (E é por isso que a evolução a tornou em algo que os humanos valorizam.) No entanto, a atratividade é um sinal, não uma causa, de boa saúde, daí a confusão. A atratividade não é essencial para a manutenção de uma boa saúde. (Embora possa ajudar, se permitir que tenha uma boa vida social.)

Outros argumentos, do 50 ao 61, falam de possíveis efeitos nocivos da roupa, especialmente roupas excessivamente apertadas. Geralmente estes argumentos possuem fraquezas, como a falta de evidências concretas ou a falta de ligações diretas com a saúde. Em geral, os argumentos apresentam poucos argumentos que citem um benefício direto específico, apoiado por evidências sólidas, da nudez para com a saúde física.

Há, no entanto, um argumento nesta lista que é bastante interessante: "53. Um obsessivo sentido de pudor acerca do corpo está muitas das vezes correlacionado com a relutância em partilhar formas saudáveis de contacto com outras pessoas." Na verdade, existem vários tipos de evidências científicas de que "compartilhar o contato com os outros" é saudável, mesmo (e em particular) o toque não-sexual. Voltaremos a este ponto mais tarde.

Os argumentos 4 a 14 referem os pretensos benefícios da nudez relativamente à saúde mental. Embora sejam de uma forma geral vagos, possuem algo de "senso comum". Mais importante ainda, provavelmente também são, de facto, a melhor maneira de entender como a nudez pode ser benéfica para a saúde física. Isso ocorre porque neste momento existe uma boa compreensão científica da forma como os fatores psicológicos afetam a saúde física, como iremos ver em detalhe.

Isto não quer dizer que a maioria das doenças seja causada ou se faça sentir principalmente por fatores psicológicos. Se está doente, geralmente não está "tudo na sua cabeça", não porque tenha "más atitudes", e não porque "simplesmente não quer" ficar bem. As raízes físicas da maioria das doenças, vírus, bactérias, parasitas, má nutrição, erros genéticos, obesidade, falta de exercício ou simplesmente degeneração física relacionada com a idade, etc., ainda são importantes. No entanto, para além de tudo isso, há agora uma boa compreensão da forma como os fatores psicológicos (o que se passa no cérebro) também podem agravar ou mesmo causar doenças.

Na realidade, o stress psicológico, especialmente o crónico, é um fator importante em várias doenças físicas, como doenças cardiovasculares e diabetes. O stress psicológico pode ou não resultar do stress físico, como lesões físicas, excesso de trabalho, falta de sono, doença, etc. Mas estamos prestes a nos concentrar nas causas não-físicas.

Os naturistas dizem com frequência que a redução do stress é um dos principais benefícios da nudez social. Isto parece ser verdade, e apontaremos algumas das razões para tal. De facto, parece que a capacidade da nudez ajudar a combater o stress psicológico também é o principal fator da nudez ser benéfica para a saúde física. Curiosamente, dos 205 Argumentos, há apenas um que até menciona o stress: "12. O nudista, literalmente, nada tem a esconder. Portanto, ela ou ele têm menos stress, um facto corroborado pela investigação."

A fim de apoiar a afirmação de que a nudez é benéfica para a saúde física, torna-se necessário considerar uma série de questões:
  • O que é stress?
  • Quais são as principais fontes de stress psicológico?
  • Quais são as consequências fisiológicas do stress?
  • De que forma o stress psicológico é prejudicial à saúde?
  • De que forma a nudez social ajuda a reduzir o stress psicológico?

De forma a ser o mais conciso possível, não serão apresentados muitos detalhes. Há, no entanto, agora, uma vasta literatura científica que explica e mostra evidências relativas a todos os pontos aqui enunciados. As descobertas científicas normalmente não lidam especificamente com a nudez; continua a ser um assunto tabu. No entanto, se se aceitar que a nudez social é similar a outras coisas conhecidas por reduzirem o stress (e há razões sólidas para isso), a ligação é bastante clara.

O que é o stress?
Imaginemos uma caminhada na montanha. Viramos uma curva apertada no trilho, e apenas 3 metros à nossa frente está uma grande cobra. O coração começa a bater, esquecemos o itinerário que planeámos, paramos de sonhar acordados com o novo carro que gostaríamos de comprar, e olhamos rapidamente para a pedra ou para o ramo mais próximo. Há uma pedra de tamanho médio nas imediações, mas é uma cobra muito grande, e decidimos que talvez uma retirada estratégica seja a melhor aposta. Isto é stress.

O stress não é propriamente uma coisa nociva. A nossa experiência de stress físico é o resultado de uma evolução que nos permite lidar de forma mais eficaz com ameaças físicas, como animais perigosos, combater com outros humanos e cair num rio de forte corrente. Esta resposta, conhecida como "lutar ou fugir", tem um óbvio valor de sobrevivência e, portanto, é favorecida pela evolução.

Pelo mesmo motivo, a maioria dos outros animais complexos, mesmo peixes, tem uma resposta similar. Esta resposta inclui efeitos que tornam os nossos sentidos focados na ameaça, fazem com que o coração bombeie com mais força e reduzem a atividade de funções corporais menos importantes para a sobrevivência imediata perante o perigo, como a digestão e o sistema imunológico.

Em tempos remotos, geralmente o stress não era uma coisa crónica. Fosse qual fosse a situação perigosa em que se envolvesse, o problema, de uma forma geral, era resolvido rapidamente, para o melhor ou para o pior. Antes da invenção da agricultura e do novo tipo de organização social resultante, existiam poucas fontes de stress crónico. Estas podiam incluir fontes inadequadas de alimento ou água, temperaturas extremas ou conflitos com tribos hostis.

No entanto, nos tempos modernos, a situação foi alterada. Pelo menos nos países relativamente prósperos, existem poucas ameaças de animais selvagens e vizinhos hostis. Mas, em vez disso, há muitas outras fontes de stress: preocupações financeiras, medo de perder o emprego, desemprego, excesso de trabalho, sono inadequado, dor crónica, solidão, tensão nas relações com o cônjuge ou outros familiares, baixa condição socioeconómica e falta de controle de aspetos importantes de própria vida. Em resultado disso, agora, o stress é frequentemente crónico.

O stress ocasional em situações de emergência é um pequeno problema em comparação com a própria emergência. Mas o stress crónico é completamente diferente. É um grande problema de saúde, por uma variedade de razões que recentemente foram reconhecidas e compreendidas. Os seres humanos evoluíram com menos fontes de stress crónico e os nossos corpos não estão bem equipados para lidar com isso.

A maioria das modernas fontes de stress tem uma componente psicológica. Mesmo o stress causado por causas físicas como dor, sono inadequado ou excesso de trabalho tem ramificações psicológicas. Tais eventos podem nos tornar ansiosos, deprimidos, hostis, ter dificuldade em dormir, e geralmente fazem-nos sentir infelizes. Os estados psicológicos que acompanham o stress podem ter um efeito direto sobre a saúde física. E a razão é que o próprio cérebro controla, direta e indiretamente, os efeitos somáticos que são característicos do stress.

Sabe-se agora que não existe uma separação clara entre a mente e o corpo. Se alguém tentar dizer-lhe que alguma doença física é "meramente" psicossomática e "é tudo na sua cabeça", não se convença de que pode lidar com isso apenas com esforço mental e "pensamento positivo". O cérebro fará o que a evolução programou para fazer em situações stressantes; como tal, a abordagem mais eficaz requer lidar com o próprio stress.

Como reage o cérebro ao stress?
Existem várias áreas do cérebro que são ativadas em resposta ao stress, como a amígdala (ativada pelo medo) e o sistema límbico (que inclui a amígdala e faz ligações a outras emoções, como tristeza, excitação e raiva). Mas a ligação primária entre o cérebro e a resposta somática ao stress é efetuada através de uma parte relativamente pequena do cérebro: o hipotálamo. Uma linha privada direta para uma pequena glândula endócrina adjacente sob o cérebro, a glândula pituitária, que nos humanos é do tamanho de uma ervilha. A hipófise, por sua vez, liga a glândulas endócrinas muito maiores, as glândulas suprarrenais, que estão localizadas longe, em cima dos rins. Esta ligação é efetuada através da libertação de hormonas na corrente sanguínea para que as glândulas suprarrenais produzam (entre outras coisas) hormonas relacionadas com o stress.

Existem dois principais tipos de hormonas do stress produzidos pelas glândulas suprarrenais. Um desses tipos são os "glucocorticoides" (também conhecido como "corticosteroides"), dos quais o mais comumente discutido é o cortisol. Essas hormonas são produzidas nas glândulas suprarrenais em resposta à libertação de hormonas na corrente sanguínea. Como acabámos de observar, este é um resultado da atividade cerebral que atua através do hipotálamo e da glândula pituitária. Como o nome sugere, essas hormonas estimulam a produção de glicose (um açúcar, principal fonte de energia usada pelos músculos do corpo). Os glucocorticoides também têm efeitos supressivos sobre o sistema imunológico.

Existe um segundo tipo de hormona do stress produzido nas suprarrenais, a epinefrina e sua parente próxima, a norepinefrina. Estas podem ser-nos mais familiares pelos nomes de adrenalina e noradrenalina (até porque são praticamente as únicas hormonas produzidos nas glândulas suprarrenais). Estas hormonas afetam muitos tipos de células diferentes no corpo. Entre os seus efeitos, aumentam a frequência cardíaca, a frequência respiratória e os níveis de glucose no sangue. Todos esses efeitos disponibilizam mais energia às células musculares - o que possibilita a resposta da luta ou da fuga. Quase todos nós estamos familiarizados com a sensação de "adrenalina" precipitada por situações perigosas, ou em situações de perigo simulado, como passeios nos aparelhos dos parques de diversão ou a assistir filmes de terror.

O efeito da libertação de todas essas hormonas traduz-se por um aumento na frequência cardíaca, que bombeia o sangue de uma forma mais rápida através do sistema cardiovascular. O sangue transporta glicose e oxigénio para os músculos, bem como para o próprio coração. Isso permite que todos os músculos trabalhem mais para lutar contra uma ameaça repentina ou escapar disso. É deste modo que a perceção original do perigo pelo cérebro se traduz em ação efetiva.

A resposta de luta ou fuga é eficaz para a sobrevivência perante ameaças ocasionais. O stress psicológico crónico leva quase exatamente à mesma resposta, porque o cérebro está a enviar os mesmos sinais para as glândulas adrenais. Infelizmente, se esta resposta ocorrer de forma contínua, em vez de ocasionalmente, os resultados podem ser bastante desastrosos para o corpo de diversas formas.

De que forma o stress psicológico é prejudicial para a saúde?
O mais óbvio e negativo que ocorre quando o corpo está a responder continuamente como se estivesse na presença de um perigo grave é o excessivo desgaste de todo o sistema cardiovascular. O coração tem de trabalhar com toda a força de forma contínua, de modo que se desgastará prematuramente. A pressão arterial está sempre num nível superior ao normal, o que danifica os vasos sanguíneos. Embora os vasos sanguíneos sejam bastante fortes e raramente rompam (a menos que sejam completamente bloqueados), sofrem danos internos.

Estes danos originam inflamação, produzida pelo sistema imunitário do corpo, tal como acontece quando ocorre um corte ou abrasão na pele. Os vasos sanguíneos inflamados tornam-se pegajosos, de modo que colesterol e gordura, que normalmente circulam no sangue, aderem às paredes dos vasos sob a forma de "placa", causando arteriosclerose (endurecimento das artérias). As camadas de placa acumulada restringem o fluxo de sangue. A placa também pode quebrar, obstruindo completamente uma artéria, podendo originar ataques cardíacos ou acidentes vasculares cerebrais.

O stress crónico pode levar a numerosos problemas de saúde, para além das doenças cardiovasculares. Níveis mais altos de cortisol causam problemas. Um dos principais efeitos do cortisol é a supressão do sistema imunológico. Isto não é mau quando se trata de ocasionais situações ameaçadoras, porque permite que os recursos do corpo sejam direcionados para lidar com a ameaça em vez de apoiar o sistema imunológico. De facto, substâncias semelhantes ao cortisol são comumente prescritas para lidar com doenças autoimunes que resultam de um sistema imune hiperativo. Mas um sistema imunológico artificialmente suprimido causa outros problemas, como vulnerabilidade a infeções, cicatrização lenta, progressão de cancro e ... úlceras no estômago.

Atenção. Talvez já tenha lido que a causa "real" de úlceras não é o stress, mas sim uma certa bactéria, Helicobacter pylori. É verdade que na década de 1980 se determinou que a H. pylori é a principal causa de úlceras. No entanto, também se descobriu que apenas cerca de 10% das pessoas infetadas com esta bactéria desenvolvem úlceras, então também devem existir outros fatores, e o stress será provavelmente um. Porquê? Poderia existir uma série de razões, mas um sistema imunológico reprimido, causado pelo stress, pode ser incapaz de manter a H. pylori sob controle.

Existem outros problemas de saúde que os cientistas descobriram estar estatisticamente associados ao stress psicológico, especialmente doenças metabólicas associadas à obesidade, como a diabetes (no adulto). A pressão arterial elevada também tende a ser associada à obesidade e também pode ocorrer com diabetes. As relações causais entre as doenças metabólicas são complicadas. Mas o excesso de "mau" colesterol (colesterol LDL) no sangue contribui, juntamente com a pressão arterial elevada, para a acumulação de placa nas artérias, levando à arteriosclerose. A obesidade leva a níveis mais elevados de ácidos gordos e triglicéridos no sangue, o que também contribui para a acumulação de placa e para a resistência à insulina, quando as células não conseguem armazenar mais gordura. A resistência à insulina leva à diabetes e a níveis de glicose ainda maiores (e prejudiciais).

As ligações entre todos estes fatores são bastante complicadas. No entanto, os riscos de doenças cardiovasculares e diabetes são criados pela combinação de efeitos relacionados com o stress (tensão arterial alta, arteriosclerose, elevados níveis de glicose) e efeitos relacionados com a obesidade (resistência à insulina, níveis de triglicéridos, níveis mais altos de glicose). A saúde pode estar bem com a obesidade ou muito stress, mas estas duas situações em conjunto são especialmente prejudiciais.

A lista de possíveis problemas de saúde derivados do stress psicológico pode continuar, mas agora este ponto deve estar bastante claro. O stress não é bom para ninguém. Então, exatamente em que medida a nudez social reduz o stress e promove uma melhor saúde?

De que forma a nudez social ajuda a reduzir o stress?
Existem várias formas de reduzir o stress. Podemos tomar drogas tranquilizantes prescritas pelos médicos, como ansiolíticos, para reduzir a ansiedade. Mas podem ser viciantes e ter outros efeitos colaterais indesejáveis, bem como despesas. O álcool também funciona, mas certamente que tem os seus próprios problemas. Outras drogas recreativas também funcionam, mas são, na sua maioria, ilegais. E se os fatores que causam o stress permanecem ativos, queremos realmente confiar indefinidamente em medicamentos prescritos, álcool ou drogas ilegais para os aliviar?

Existem alternativas muito melhores para reduzir os níveis de stress prejudiciais. A melhor forma, é claro, é simplesmente reduzir ou eliminar a fonte de stress, se possível. Desistir de um emprego que seja muito desagradável. Sair de um mau relacionamento. Mudar para um local com menor custo de vida. E assim por diante. Mas estas coisas são mais fáceis de dizer do que fazer. Suponhamos que o stress é causado por algo sobre o qual tenhamos pouco controle, como o medo de perder um emprego de que se gosta devido às condições económicas. Ou sogros que nos deixam loucos. Ou um grave problema de saúde como o cancro em estado inicial.

A nudez social pode ajudar, uma vez que traz uma série de práticas, oportunidades e recursos inerentes à redução do stress. Quase todos estão disponíveis fora da nudez social. Mas ao envolver a nudez social, a maioria dessas melhorias ficam imediatamente disponíveis como parte do pacote.

1. Sistema de apoio social amigável. Uma das fontes mais comuns de stress é a solidão e o isolamento social. Por definição, a nudez social pode tratar dessa parte. Pode exigir um considerável esforço inicial para tentar a nudez social. Mas os que conseguem superar essa parte, passam a inserir-se numa rede social, já existente, de pessoas de mentalidade semelhante e que vai proporcionar muitas amizades e oportunidades de socialização.

2. Maior autoconfiança. Pelas razões acima mencionadas, o medo e a ansiedade crónica são grandes fontes de stress. O medo do fracasso nalguma tarefa é um tipo comum de medo. Existem alguns artigos aqui no nosso website que explicam de que forma a nudez social pode ajudar a construir autoconfiança.

3. Aceitação corporal. Para muitas pessoas, a infelicidade sobre o aspeto do seu próprio corpo é uma grande fonte de stress e talvez um obstáculo para uma vida social feliz. Também já explicámos este benefício da nudez social em alguns artigos aqui no nosso website.

4. Concentrar-se no presente em vez do passado ou do futuro. Quando se está despido com outras pessoas, a atenção tende a ser fortemente focada no presente, aqui e agora. Isto pode superar os medos de perspetivas de futuro desagradáveis (como por exemplo, perda de emprego, problemas familiares). Também se superam os sentimentos de remorso sobre os erros e falhas do passado, ou o reviver de experiências traumáticas do passado (stress pós-traumático). Sem tais emoções negativas, o stress psicológico é automaticamente reduzido.

5. Retirar ênfase ao estatuto social. Uma grande quantidade de vestuário é projetada para criar mensagens sobre o estatuto socioeconómico. Usar roupas caras e elegantes transmite que essa pessoa é bem-sucedida e influente. As pessoas que não podem dar-se ao luxo de usar esse tipo de vestuário, ou que simplesmente não o preferem devido dos grupos sociais com os quais se identificam, são propensas a sentir que possuem um baixo estatuto socioeconómico. Muitas pesquisas mostraram que um estatuto socioeconómico baixo é, por si só, uma fonte de stress, porque as pessoas de baixo estatuto socioeconómico, geralmente, têm menos controlo sobre as suas vidas. A roupa certamente não é o único meio para evidenciar o estatuto socioeconómico. Mas a ausência de vestuário na nudez social elimina uma fonte de stress.

6. Ênfase em aspetos positivos. Normalmente a vida quotidiana é uma mistura de positivos e negativos. Resulta em stress quando os segundos excedem significativamente os primeiros. O mundo da nudez social não é a utopia perfeita, longe disso. Mas distrai a atenção dos negativos da vida promovendo, assim, uma visão mais positiva da vida. Há menos ênfase em coisas como aparência física, status social e conformidade com normas sociais não razoáveis. As pessoas envolvidas na nudez social querem compartilhar o prazer em se estar despido, porque a felicidade de um indivíduo é melhorada quando outros estão também a desfrutar da vida. A felicidade é contagiosa.

7. Yoga e meditação sem roupas. Yoga e meditação são práticas que permitem esvaziar a sua mente das preocupações mundanas, "desligando o ruído no andar de cima". Embora os detalhes variem de acordo com os diferentes tipos de ioga e meditação, aprende-se a reduzir o foco mental (ou a focá-lo completamente), afastando os pensamentos stressantes. Embora se possa fazer Yoga e meditação isoladamente, e estando ou não despido, fazê-lo sem roupa, como parte de um grupo, pode reforçar a motivação para continuar e avançar no nível de domínio. Está comprovado que praticar Yoga ou meditação reduz a pressão arterial alta (causada pelo stress), pelo menos enquanto se dedica à prática, sendo práticas particularmente benéficas após algumas experiências stressantes.

8. Exercício sem roupa. Como apontado no início, o exercício físico foi parte integrante do Lebensreform alemão e da prática inicial do nudismo. E, como outros componentes desses movimentos, os benefícios para a saúde foram enfatizados. Ainda se pode fazer muito exercício sem ser necessário estar despido ou pertencer a um grupo. Mas, tal como com Yoga e meditação, será algo que muitas vezes é mais satisfatório se integrado num grupo de pessoas sem roupa. E alguns tipos de exercícios simplesmente não são possíveis de realizar isoladamente, como voleibol, basquete, ténis, etc. Qual a ligação com o stress? Novamente, é o foco no presente, o aqui-e-agora. E se o exercício melhorar a aptidão física e saúde geral, será possível perder peso e reduzir o stress psicológico associado à obesidade. Se se juntar a um clube de naturista local, também ganha acesso a instalações para exercícios (piscinas, campos de ténis, equipamentos de ginástica, etc.) como parte do acordo.

9. Sauna, banho turco sem roupa. As cabanas de suor foram usadas por povos indígenas das Américas muito antes dos europeus chegarem. Ninguém sabe quando as saunas foram usadas pela primeira vez em países nórdicos, porque ocorreu antes de se registar a história. E as fontes termais naturais foram indubitavelmente usadas por qualquer humano que a elas teve acesso desde que há humanos. Tais atividades têm sido populares porque são fisicamente relaxantes e reduzem o stress. Isto será devido às endorfinas que reduzem a dor e tensão física stressantes. Mesmo se não possuir sauna ou spa, provavelmente haverá outras pessoas no seu grupo de nudez social (ou clube, ou resort) que o têm.

10. Massagem despida. Existem muitos tipos de massagem, mas a maioria tem demonstrado reduzir a pressão arterial elevada (causada pelo stress) e dor (que é uma fonte de stress). A maioria dos massagistas profissionais não incentivam à nudez total, apesar de qualquer peça de roupa interferir com uma massagem corporal completa. Muitos clubes e resorts naturistas oferecem massagem profissional totalmente sem roupa. E muitos membros de tais clubes e resorts aprenderam a realizar excelentes massagens. O toque físico, claro, é parte integrante de qualquer massagem e reduz o stress por si só.

E é isto. Como se pode constatar, existem muitas práticas disponíveis na nudez social que podem contrariar significativamente o stress psicológico e, portanto, promover a saúde física e a qualidade de vida.
No entanto, como o stress é mau para a saúde, acaba por degradar a qualidade de vida de outras formas, tal como o jornalista escreveu o seu livro “The Art of Time”.

O que mais temo no stress não é o facto de ele matar, mas porque impede de saborear a vida.

Então, as formas pelas quais a nudez social ajuda a controlar o stress tornam esse benefício ainda mais valioso. A vida sabe melhor sem roupas.

Referências do artigo original:
A popular revista científica Science News publicou, na sua edição de 7 de março de 2015, um artigo sobre stress e saúde: Chronic stress can wreak havoc on the body.
Uma revisão mais técnica da biologia de como o stress leva à inflamação e a outros problemas do sistema imunológico devido a causas sociais: Stress Fractures. Artigo da edição de janeiro de 2015 de The Scientist.
O livro definitivo sobre o stress psicológico para o leitor geral é “Por que as Zebras não têm úlceras”, de Robert Sapolsky. Embora seja longo (mais de 400 páginas, com 100 páginas adicionais de notas), e cheio de detalhes técnicos, valerá a pena o esforço.


[1] A Associação Pensamentos ao Vento não concorda plenamente com este ponto de vista, em especial no que concerne ao consumo de alimentos aditivados. Além disso a sintetização de vitamina D será mais rápida e eficaz sem roupas.

Traduzido e adaptado por José Luís Vieira a partir de https://naturistphilosopher.wordpress.com/2015/03/12/benefits-of-social-nudity-stress-reduction-general-health/
em 16/10/2017
anterior subir next
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal